Site background
Doenças

Isquemia intestinal

Definição

A isquemia intestinal ocorre quando os vasos sanguíneos (artérias) dos intestinos se estreitam ou bloqueiam, reduzindo o fluxo sanguíneo. A isquemia intestinal pode afetar o intestino delgado, o intestino grosso (cólon) ou ambos. O fluxo sanguíneo reduzido pode provocar dores e danificar permanentemente o intestino.

A perda súbita de fluxo sanguíneo para o intestino (isquemia intestinal aguda) é uma emergência médica que requer cirurgia imediata. A isquemia intestinal que se desenvolve ao longo do tempo (crónica) requer tratamento, uma vez que pode ser aguda ou resultar numa perda de peso acentuada ou a desnutrição.

Sintomas

Os sinais e sintomas de isquemia intestinal podem desenvolver-se subitamente (aguda) ou gradualmente (crónica).

Sintomas da isquemia intestinal aguda

  • Dor abdominal repentina que pode variar de ligeira a aguda
  • Uma necessidade urgente de defecar
  • Defecação frequente e forçada
  • Rigidez ou inchaço abdominal
  • Sangue nas fezes
  • Náuseas ou vómitos ou ambos
  • Febre

Sintomas da isquemia intestinal crónica

  • Cólicas abdominais ou sensação de estômago cheio, começando 30 minutos após as refeições e perdurando entre uma a três horas.
  • Dor abdominal que piora progressivamente ao longo de semanas ou meses
  • Medo de comer devido a dor consequente
  • Perda de peso incompreensível
  • Diarreia
  • Náuseas ou vómitos ou ambos
  • Inchaço

A isquemia intestinal crónica pode progredir para um episódio agudo. Caso isso ocorra, pode sofrer dores abdominais agudas, seguidas de semanas ou meses de dor intermitente após as refeições.

Quando consultar um médico 
Procure imediatamente aconselhamento médico caso apresente dores abdominais agudas repentinas. A dor abdominal que o deixa tão desconfortável e que o impede de se sentar quieto ou de encontrar uma posição confortável representa uma emergência médica.

Caso apresente outros sinais ou sintomas que o preocupem, marque uma consulta com o médico.

Causas

A isquemia intestinal ocorre quando o fluxo sanguíneo para os intestinos é abrandado ou parado. Devido a um fluxo sanguíneo diminuído, as células no sistema digestivo estão sedentas de oxigénio e podem tornar-se fracas e morrer, danificando os intestinos.

A isquemia intestinal divide-se geralmente em categorias:

Isquemia do cólon (colite isquémica) 
A isquemia do cólon ocorre quando o fluxo sanguíneo para o cólon é abrandado. Trata-se do tipo mais comum de isquemia intestinal. A isquemia do cólon afeta geralmente adultos com idades superiores a 60 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade.

A causa precisa de um fluxo sanguíneo para o cólon diminuído nem sempre é clara. Contudo, existem diversos fatores que podem aumentar o risco de isquemia do cólon:

  • Formação de depósitos de gordura nas paredes de uma artéria (arteriosclerose)
  • Pressão sanguínea preocupantemente baixa (hipotensão) associada a insuficiência cardíaca, cirurgias grandes, traumas ou choque
  • Um coágulo sanguíneo numa artéria que irriga o cólon
  • Obstrução intestinal provocada por uma hérnia, tecido de cicatrização ou por um tumor
  • Cirurgia que envolva o coração ou os vasos sanguíneos, ou os sistemas digestivo ou ginecológico
  • Outras doenças que afetem o sangue como, por exemplo, uma inflamação dos vasos sanguíneos (vasculite), lúpus ou anemia falciforme
  • Algumas medicações, especialmente as que retraem os vasos sanguíneos, como alguns medicamentos para o coração ou enxaqueca e medicamentos hormonais, como estrogénio
  • Consumo de cocaína ou metanfetaminas

Isquemia mesentérica grave 
A isquemia mesentérica grave afeta o intestino delgado. Ocorre abruptamente e pode ser um resultado de:

  • Um coágulo sanguíneo que bloqueia uma artéria até ao intestino delgado. O coágulo sanguíneo é a causa mais comum de isquemia mesentérica grave e pode resultar de uma insuficiência cardíaca congestiva, de batimentos cardíacos irregulares (arritmia) ou de um ataque cardíaco.
  • Um bloqueio numa artéria intestinal que abranda ou para o fluxo sanguíneo, geralmente como resultado da formação de depósitos de gordura ao longo da parede de uma artéria (arteriosclerose). Uma artéria intestinal bloqueada é geralmente a causa da isquemia mesentérica grave que se torna posteriormente aguda.
  • Uma pressão sanguínea baixa devido a um choque, insuficiência cardíaca, determinados medicamentos ou insuficiência renal crónica. Uma pressão sanguínea baixa pode reduzir o fluxo sanguíneo para o intestino delgado. Esta causa é mais comum em pessoas com outras doenças graves ou com algum nível de arteriosclerose. Este tipo de isquemia mesentérica grave é por vezes denominado isquemia não oclusiva.

Isquemia mesentérica crónica 
A isquemia mesentérica crónica, também denominada angina intestinal, resulta da formação gradual de depósitos de gordura ao longo da parede de uma artéria (arteriosclerose). A isquemia mesentérica crónica pode progredir para isquemia mesentérica grave, especialmente se existir desenvolvimento de um coágulo sanguíneo numa artéria afetada.

Trombose venosa mesentérica 
Este tipo de isquemia intestinal ocorre quando existe desenvolvimento de um coágulo sanguíneo na veia que transporta o sangue para fora dos intestinos. A veia bloqueada provoca o regresso do sangue aos intestinos, resultando em inchaço e sangramento. A trombose venosa mesentérica pode resultar de:

  • Inflamação aguda ou crónica do pâncreas (pancreatite)
  • Infeção abdominal
  • Cancro no sistema digestivo
  • Doenças intestinais, como colite ulcerosa, doença de Crohn ou diverticulite
  • Doenças que tornam o sangue mais propenso à formação de coágulos (doenças de hipercoagulação), como deficiência proteica hereditária
  • Traumatismos no abdómen
  • Algumas terapias hormonais

Diagnóstico

Com base nos seus sinais e sintomas, o seu médico pode recomendar estes testes imagiológicos:

  • Angiotomografia ou angiografia por ressonância magnética, para fornecer imagens detalhadas do fluxo sanguíneo no intestino delgado e para procurar artérias bloqueadas. Por vezes, o médico pode tratar as artérias bloqueadas durante o angiograma.
  • Arteriografia, para fornecer imagens de raio-X de vasos sanguíneos.
  • Outros procedimentos incluem:
  • Endoscopia, para visualizar a parte superior do intestino delgado. A endoscopia pode ajudar o médico a excluir outros problemas como causa dos seus problemas digestivos.
  • Colonoscopia, para visualizar o intestino grosso.
  • Cirurgia exploratória, para localizar e remover o tecido danificado. A cirurgia exploratória permite o diagnóstico e tratamento durante um procedimento.

Tratamento

O tratamento da isquemia intestinal envolve a reposição de fluxo sanguíneo suficiente no trato digestivo. As opções variam, dependendo do tipo e da gravidade do seu problema.

Isquemia do cólon 
A isquemia do cólon pode sarar por si própria. Contudo, o seu médico pode recomendar um antibiótico para tratar ou prevenir infeções. Poderá ainda tratar qualquer problema médico subjacente, como uma insuficiência cardíaca congestiva ou batimentos cardíacos irregulares. Necessitará de parar qualquer medicação que restrinja os vasos sanguíneos, como medicamentos para a enxaqueca, medicamentos hormonais e alguns medicamentos para o coração.

Se o seu cólon tiver sido danificado, pode necessitar de cirurgia para remover o tecido morto ou para evitar o bloqueio numa artéria intestinal.

Isquemia mesentérica grave 
É igualmente necessária cirurgia para remover um coágulo sanguíneo, para evitar o bloqueio de uma artéria ou para corrigir ou remover uma secção danificada de intestino. O tratamento pode também incluir medicamentos para evitar a formação de coágulos, para dissolvê-los ou para expandir vasos sanguíneos.

Se for utilizada angiografia para diagnosticar o problema, pode ser possível tratar o problema com angioplastia em simultâneo. A angioplastia envolve a utilização de um balão insuflado na extremidade de um cateter para comprimir os depósitos de gordura e esticar uma artéria, formando uma via mais larga para o fluxo sanguíneo. Pode também ser colocado um tubo metálico (stent) na artéria para ajudar a mantê-la aberta.

Isquemia mesentérica crónica 
Geralmente, é necessário realizar uma cirurgia para repor o fluxo sanguíneo e evitar a progressão para isquemia mesentérica aguda. O seu cirurgião pode efetuar a revascularização das artérias bloqueadas ou das artérias estreitadas com angioplastia ou colocando um stent após a mesma.

Trombose venosa mesentérica 
Caso os seus intestinos não apresentem sinais de danos, provavelmente necessitará de tomar medicação anticoagulante durante três a seis meses. Os anticoagulantes podem ajudar a evitar a formação de coágulos. Se os testes identificarem um distúrbio de formação de coágulos sanguíneos, poderá necessitará de tomar anticoagulantes durante toda a vida. Se as porções do seu intestino apresentarem sinais de danos, pode necessitar de cirurgia para removê-las.

© 2013 SANFIL, todos os direitos reservados