Unidades

Casa de Saúde de Santa Filomena

 Coimbra

 +351 239 851 650

Laboratório D. Diniz

 Coimbra

 +351 239 835 936

Centro de Diagnóstico e Tratamento Integrado

 Coimbra

  +351 239 701 627

Diaton

 Coimbra

 +351 239 851 650

Clínica Radiológica Peito Cruz

 Coimbra

 +351 239 828 626

Centro de Radiologia da Figueira da Foz

 Figueira da Foz

 +351 233 422 593

Imalis

 Leiria

 +351 244 831 921

Centro Hospitalar de S. Francisco

 Leiria

 +351 244 819 300

Clínica da Lousã

 Lousã

 +351 239 073 910/1

Imagran

 Marinha Grande

 +351 244 569 084

Nefrovales

 São Martinho

 +351 239 813 318

Apneia do sono

02 Out Apneia do sono

Definição


A apneia do sono é um distúrbio do sono potencialmente grave no qual a respiração cessa e retoma repetidamente. Poderá ter apneia do sono se roncar sonoramente e caso se sinta cansado após uma noite de sono completa.

Há dois tipos principais de apneia do sono:

  • Apneia obstructiva do sono, a forma mais comum, que ocorre quando os músculos da garganta relaxam;
  • Apneia central do sono, que ocorre quando o cérebro não envia os sinais correctos para os músculos responsáveis pelo controlo respiratório.

Se pensa que poderá sofrer de apneia do sono, consulte o seu médico. O tratamento é necessário para evitar problemas cardíacos e outras complicações.


Sintomas

Os sintomas da apneia obstrutiva e central do sono coincidem, o que dificulta, por vezes, a determinação do seu tipo específico. Os sintomas mais comuns da apneia obstrutiva e central do sono são:

  • Sonolência excessiva durante o dia (hipersónia);
  • Roncar sonoro, normalmente mais marcado na apneia obstructiva do sono;
  • Episódios de cessação da respiração durante o sono testemunhados por outra pessoa;
  • Despertares abruptos acompanhados de falta de ar, revelando, quase certamente, apneia central do sono.
  • Despertar com a boca seca ou garganta dorida;
  • Dor de cabeça matinal;
  • Dificuldade em adormecer (insónia);
  • Problemas de concentração.

Quando consultar um médico
Consulte um profissional caso experiencie ou se o seu companheiro verificar:

  • Um roncar tão sonoro que perturbe o sono de outros ou o próprio;
  • Falta de ar que o desperta do seu sono;
  • Pausas intermitentes na respiração durante o sono;
  • Sonolência excessiva durante o dia, podendo fazer com que adormeça durante o trabalho, a ver televisão ou mesmo durante a condução.

Muitas pessoas não encaram o roncar como um sintoma de algo potencialmente grave, e nem todos os que sofrem de apneia do sono roncam. Certifique-se de que fala com o seu médico no caso de detectar um roncar sonoro, especialmente se for marcado por períodos de silêncio.

Questione o seu médico sobre quais os problemas de sono que provocam fadiga crónica, sonolência e irritabilidade. Uma sonolência excessiva durante o dia (hipersónia) poderá ser decorrente de outros distúrbios, nomeadamente narcolepsia.



Causas


Causas da apneia obstructiva do sono

A apneia obstructiva do sono ocorre quando os músculos da parede posterior da garganta relaxam. Estes músculos suportam o palato mole, o pedaço de tecido triangular que pende do palato mole (úvula), as amígdalas, as paredes laterais da garganta e a língua.

Quando os músculos relaxam, as vias respiratórias estreitam-se ou fecham durante a inspiração, fazendo com que não se consiga inspirar adequadamente. Isto poderá diminuir o nível de oxigénio no sangue. O cérebro detecta esta incapacidade para respirar e acorda-o do seu sono por breves instantes, para que possa desimpedir novamente as vias respiratórias. Este despertar é geralmente tão breve que não tem memória dele.

Poderá resfolegar, sufocar ou arquejar. Este padrão poderá repetir-se entre cinco a 30 vezes, ou mais, a cada hora, durante a noite toda. Estas interrupções prejudicam a sua capacidade de atingir as desejadas fases mais profundas e descansadas do sono, o que fará com que, provavelmente, sinta sonolência durante as horas de vigília.

As pessoas com apneia obstructiva do sono poderão não se dar conta de que o seu sono foi interrompido. Na realidade, algumas pessoas com este tipo de apneia do sono estão convencidas de que dormem a noite toda.

Causas da apneia central do sono

A apneia central do sono, que é bastante menos comum, ocorre quando o cérebro não envia sinais aos seus músculos respiratórios. Poderá acordar com falta de ar ou sentir dificuldade em adormecer ou em manter-se acordado. Tal como com a apneia obstructiva do sono, poderá roncar e sentir sonolência durante o dia. A causa mais comum da apneia central do sono é a falência cardíaca e, menos frequentemente, os acidentes vasculares. As pessoas com apneia central do sono têm maior propensão a recordar o despertar do que as pessoas com apneia obstructiva do sono.


Diagnóstico


O seu médico poderá realizar uma avaliação com base nos seus sintomas ou poderá encaminhá-lo para um instituto de distúrbios do sono. Aí, um especialista do sono poderá ajudá-lo a decidir sobre a necessidade de uma avaliação adicional. Esse tipo de avaliação normalmente implica uma monitorização da sua respiração e de outras funções corporais durante o sono. A realização de exames do sono em casa está a ganhar popularidade, pois costuma ser mais fácil e menos dispendiosa. Exames para detectar apneia do sono:

  • Polissonografia nocturna. Durante este exame, é ligado a um equipamento que monitoriza o coração, pulmões e actividade cerebral, padrões respiratórios, movimentos de braços e pernas, e níveis de oxigénio no sangue durante o sono;
  • Exames do sono em casa. Nalguns casos, o médico poderá providenciar-lhe exames simplificados para realizar em casa para diagnosticar a apneia do sono. Estes exames normalmente envolvem a medição da frequência cardíaca, nível de oxigénio no sangue, fluxo de ar e padrões respiratórios. Caso sofra de apneia do sono, os resultados dos exames irão apresentar descidas dos níveis de oxigénio durante as apneias e subidas subsequentes nos despertares. Caso os resultados sejam anormais, o seu médico poderá prescrever-lhe uma terapia sem ser necessário realizar mais exames. Os dispositivos de monitorização portáteis não detectam todos os casos de apneia do sono, pelo que o seu médico poderá ainda recomendar uma polissonografia, ainda que os seus resultados iniciais tenham sido normais.

No caso de sofrer de apneia obstructiva do sono, o seu médico poderá encaminhá-lo para um otorrinolaringologista, para excluir a possibilidade de bloqueio no nariz ou garganta. Poderá ser necessário ser avaliado por um cardiologista ou neurologista, para detectar as causas da apneia central do sono.


Tratamento


Para casos mais ligeiros de apneia do sono, o seu médico poderá recomendar apenas alterações no seu estilo de vida, nomeadamente perder peso ou deixar de fumar. Caso estas medidas não melhorem os sintomas ou caso a sua apneia seja entre moderada a grave, estão disponíveis outros tratamentos. Determinados dispositivos poderão ajudar a desbloquear as vias respiratórias. Noutros casos, poderá ser necessário recorrer a cirurgia.

Tratamentos para apneia obstructiva do sono:

Terapias

  • Pressão contínua positiva nasal (PPCN). Caso sofra de apneia do sono entre moderada e grave, poderá obter benefícios de uma máquina que proporciona pressão de ar através de uma máscara colocada sobre o nariz durante o sono. Com a PPCN, a pressão nasal é, de certa forma, maior do que a do ar circundante, e é suficiente para manter as vias respiratórias superiores abertas, prevenindo a apneia e o roncar.
  • Embora a PPCN seja o método mais comum e fiável para o tratamento da apneia do sono, algumas pessoas consideram-na volumosa e desconfortável. Muitas pessoas desistem da PPCN, mas com alguma prática a maior parte aprende a adaptar a tensão das tiras para obter mais conforto e melhor ajuste. Poderá ter de experimentar mais de um tipo de máscara para encontrar a que melhor se lhe adapta. Algumas pessoas beneficiam do uso de um humidificador juntamente com um sistema PPCN.
  • Não deixe de usar a máquina PPCN caso sinta problemas. Consulte o seu médico para ver que tipo de modificações podem ser efectuadas para o deixar mais confortável. Adicionalmente, consulte o seu médico se continuar ou retomar o roncar apesar do tratamento. No caso de alteração de peso, as definições poderão ter de ser ajustadas;
  • Dispositivos de regulação da pressão nasal. Caso a PPCN continue a constituir um problema, poderá usar um tipo diferente de dispositivo de regulação de pressão nasal que ajuste de forma automática a pressão durante o sono. Por exemplo, estão disponíveis unidades que fornecem pressão nasal positiva a dois níveis (BPAP). Estas providenciam mais pressão quando inspira do que quando expira;
  • Pressão positiva expiratória (EPAP). Este é o tratamento mais recente aprovado pela Food and Drug Administration (FDA). Estes pequenos dispositivos de utilização única são colocados sobre cada narina antes de adormecer. O dispositivo consiste numa válvula que permite que o ar se desloque livremente, contudo quando expira, o ar deverá entrar pelos pequenos orifícios existentes na válvula. Isto aumenta a pressão nas vias respiratórias, mantendo-as abertas. O dispositivo ajudou a reduzir o roncar e sonolência durante do dia quando comparado com um dispositivo falso. Poderá ser uma opção viável para quem é intolerante à PPCN;
  • Aparelhos bucais. Outra opção consiste em usar um aparelho bucal concebido para manter a garganta aberta. A PPCN é mais comprovadamente eficaz do que os aparelhos bucais, mas estes são mais fáceis de usar. Alguns são concebidos para abrir a garganta ao empurrar o maxilar para a frente, o que pode, por vezes, aliviar o roncar e a apneia obstructiva do sono ligeira.
  • Estão disponíveis vários dispositivos no seu dentista. Poderá ter de testar diferentes dispositivos antes de encontrar um que funcione consigo. Quando encontrar o adequado, deverá ser seguido pelo seu dentista, no mínimo, a cada seis meses durante o primeiro mês e, após esse período, pelo menos, uma vez por ano, para garantir que o ajuste ainda é adequado e para reavaliar os sintomas.

Cirurgia
A cirurgia só surge como opção no caso de todos os outros tratamentos terem falhado. Geralmente, sugere-se testar outro tratamento durante, no mínimo, três meses, antes de se considerar a hipótese da cirurgia. Contudo, para as poucas pessoas que apresentam determinados problemas na estrutura do maxilar, trata-se de uma boa primeira opção. O objectivo da cirurgia para a apneia do sono é o de alargar as vias respiratórias através do nariz ou garganta. Estes poderão estar a vibrar e a fazer com que ronque ou poderão estar a bloquear as passagens superiores e a provocar apneia do sono. Opções cirúrgicas:

  • Remoção de tecido. Durante este procedimento, conhecido como uvulopalatofaringoplastia (UPFP), o seu médico remove tecido da parte posterior da boca e início da garganta. Normalmente, também lhe são removidas as amígdalas e os adenóides. Este tipo de cirurgia poderá evitar que as estruturas da garganta deixem de vibrar, pondo fim ao roncar. Porém, poderá ser menos bem-sucedida no tratamento da apneia do sono, pois o tecido no fundo da garganta poderá ainda estar a bloquear a passagem de ar. A UPFP normalmente é realizada num hospital e exige uma anestesia geral.
  • A remoção de tecidos da parede posterior da garganta com laser (uvulopalatoplastia com laser) não é recomendável no tratamento da apneia do sono. A energia de radiofrequência (ablação por radiofrequência) poderá ser uma opção para quem é intolerante à PPCN ou a aparelhos bucais;
  • Reposicionamento do maxilar. Neste procedimento, o seu maxilar é puxado para a frente a partir dos restantes ossos da cara. Isto aumenta o espaço entre a língua e o palato mole, diminuindo a possibilidade de obstrução. Este procedimento, conhecido como avanço maxilomandibular, poderá precisar da cooperação de um cirurgião bucomaxilofacial e de um ortodontista, e, por vezes, pode ser combinado com outro procedimento para aumentar as possibilidades de sucesso;
  • Implantes. São implantadas cirurgicamente hastes de plástico no palato mole enquanto estiver sob anestesia local. Este procedimento poderá ser uma opção para aqueles que roncam ou sofrem de apneia do sono ligeira e são intolerantes à PPCN;
  • Criar uma nova passagem de ar (traqueostomia).Poderá ter de recorrer a esta cirurgia caso os outros tratamentos tenham falhado e sofra de apneia do sono grave e letal. Neste procedimento, o cirurgião efectua uma abertura no pescoço e introduz um tubo metálico ou plástico através do qual se irá realizar a respiração. A abertura deste será mantida coberta durante o dia. Contudo, à noite, deverá ser destapada para permitir a passagem de ar para os pulmões, contornando assim o bloqueio da passagem de ar na garganta.

Outros tipos de cirurgia poderão ajudar a reduzir o roncar e contribuir para o tratamento da apneia do sono ao desbloquear ou aumentar as passagens de ar:

  • Cirurgia nasal para remover os pólipos ou endireitar uma divisão torta entre as narinas (desvio do septo nasal);
  • Cirurgia para remover amígdalas ou adenóides excessivamente grandes.

Tratamentos para apneia central e complexa do sono:

Terapias

  • Tratamento para problemas de saúde associados. Entre as possíveis causas para a apneia central do sono encontramos distúrbios cardíacos ou neuromusculares. O seu tratamento poderá ter efeitos benéficos. Por exemplo, a optimização da terapia para falência cardíaca poderá eliminar a apneia central do sono;
  • Oxigénio suplementar. O recurso a oxigénio suplementar durante o sono poderá ajudar no caso de sofrer de apneia central do sono. Estão disponíveis várias formas de oxigénio, assim como diferentes dispositivos para fornecer oxigénio aos pulmões;
  • Pressão contínua positiva nasal (PPCN). Este método, também usado para a apneia obstructiva do sono, envolve usar uma máscara pressurizada sobre o nariz durante o sono. A máscara está ligada a uma pequena bomba que envia o ar através das suas vias respiratórias para evitar o seu colapso. A PPCN poderá pôr fim ao ronco e prevenir a apneia do sono. Tal como com a apneia obstructiva do sono, é importante que use o dispositivo tal como recomendado. No caso de a sua máscara ser desconfortável ou de a pressão ser demasiado forte, consulte o seu médico para que sejam efectuados ajustes;
  • Pressão nasal positiva a dois níveis (BPAP). Ao contrário da PPCN, que fornece pressão constante e regular até às vias respiratórias superiores enquanto inspira e expira, a BPAP atinge uma pressão mais elevada quando inspira e uma pressão mais baixa quando expira. O objectivo deste tratamento é proporcionar assistência ao padrão respiratório débil da apneia central do sono. Alguns dispositivos de BPAP podem ser definidos para fornecer automaticamente uma respiração, caso o dispositivo detecte que não inspira após determinados segundos;
  • Servo-ventilação adaptável (SVA). Este dispositivo de fluxo de ar recém-aprovado aprende o seu padrão respiratório normal e armazena a informação num computador incorporado. Quando adormece, a máquina recorre a pressão para normalizar o seu padrão respiratório e prevenir as pausas que possam ocorrer. A SVA parece ser mais bem sucedida do que as outras formas de pressão positiva das vias respiratórias no tratamento da apneia central do sono nalgumas pessoas.

Juntamente com estes tratamentos, poderá ler ou ouvir falar de diferentes tratamentos para a apneia do sono, tais como os implantes. Embora vários dispositivos médicos e procedimentos tenham recebido a aprovação da FDA, há pouca investigação publicada no que se refere à sua utilidade, e não são geralmente recomendadas como terapias exclusivas.



Envie-nos o seu contacto, para podermos ajudar

Indique-nos  todas as informações possíveis para prestarmos o melhor atendimento, o mais personalizável possível.






×